Veja que municípios podem ser criados em Sergipe

9 jun 2013 | 04:21 |
0 comentário

camara_dos_deputadosPela proposta, pelo menos 10% dos eleitores da região devem apoiar o surgimento de uma nova cidade. Cada uma deve nascer com uma população mínima, dependendo da região do país

A Câmara aprovou nesta terça-feira (4) um projeto que regulariza a criação de 57 municípios e abre brecha para outros 400 sejam criados. O Projeto de Lei Complementar (PLP) 416/08 estabelece normas para a criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento de cidades. Com a aprovação, o texto segue para o Senado pelas modificações feita em plenário.

Sergipe poderá ganhar mais 15 municípios e passará a contar com 90. Há conversações no sentido da criação de Alagadiço e Mocambo (em Frei Paulo), Nossa Senhora do Patrocínio (Brejo Grande), São José do Itamirim (Itabaianinha), Nossa Senhora de Fátima e Luzinópolis (ambos em Porto da Folha), Samambaia (Tobias Barreto), Rosa Elze (São Cristóvão), Veracruz (Riachão do Dantas), Treze e Jenipapo (ambos em Lagarto), Escurial (Nossa Senhora de Lourdes), Santa Rosa do Ermírio e Sítios Novos (os dois em Poço Redondo) e São Mateus da Palestina (Gararu).

Desde 2008 há uma proibição adotada pelo Supremo Tribunal Federal, que na época condicionou as iniciativas à aprovação da Lei Complementar.

Essa lei exige, entre outras coisas, estudo de viabilidade econômica. O custo desse tipo de farra é elevado. Tem que criar prefeitura, câmara, contratar pessoal etc.

Na prática, a proposta abre caminho para a criação de novos municípios, impedida por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2008, que condiciona a liberação de novos entes municipais à aprovação de uma lei complementar pelo Congresso. Naquele ano, o Supremo ameaçou extinguir 57 municípios criados após 1996, quando foi aprovada uma emenda à Constituição que restringia a criação desenfreada de novas cidades.

A proposta regulamenta o parágrafo 4º do artigo 18 da Constituição Federal. O trecho estabelece que a criação, incorporação, fusão e o desmembramento de municípios vão ocorrer por lei complementar e dependem de consulta prévia á população atingida. A redação do trecho da Carta Magna foi aprovada em 1996. Desde então, não existe lei para regulamentar as novas cidades.

Pela proposta, para criar um município primeiro deve se conseguir o apoio de 10% dos eleitores da região. Depois, precisa de um estudo de viabilidade para indicar se é possível ou não criar a cidade. Caso a análise seja aprovada, a Assembleia Legislativa autoriza a realização do plebiscito.

Pela proposta aprovada, os novos municípios precisam nascer com uma população mínima – 12 mil habitantes se localizado nas regiões Sul e Sudeste; 8,5 mil, na região Nordeste, e 6 mil, nas regiões Centro-Oeste e Norte. O eleitorado deverá ser superior à metade de seus habitantes.

Para acelerar a votação da matéria, e evitar que ela voltasse para mais uma análise do Senado, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), fez um apelo aos líderes que emendas e destaques fossem retirados. Inicialmente eram 25. No fim, sobraram seis. Destes, cinco foram rejeitados pelos deputados em plenário. O aprovado retirou do texto a proibição de desmembrar cidades que estejam sediadas totalmente ou parcialmente em terras da União, como áreas de marinha ou reservas indígenas, por exemplo.

Pressão

O texto base aprovado, com 319 votos favoráveis, 32 contrários e duas abstenções, deu uma mostra do apoio que os municipalistas tiveram em plenário. Na tribuna, a maior parte dos parlamentares discursou para a platéia presente. “[O projeto] é fundamental para que nós possamos corrigir desigualdades. Para as pessoas que moram em distritos a única perspectiva é a emancipação”, disse o deputado João Ananias (PCdoB-CE).

“Não é um projeto liberou geral”, disse o deputado Lira Maia (DEM-PA). Já Giovani Cherini (PDT-RS) ponderou que a proposta não é boa. No entanto, o pedetista acredita que é melhor ter uma norma do que nenhuma. “Hoje mesmo já voi começar a trabalhar pela mudança da lei. Não se entusiasmem tanto”, afirmou.

O Psol foi o único partido a se posicionar contra. Para os deputados da legenda, os critérios para criação de municípios deveria ser mais rígido do que o proposto. Chico Alencar (RJ) ressaltou que, das 5,5 mil cidades brasileiras, 88% delas têm débito com a Previdência Social. E 60% não conseguem levar seus resíduos para aterros sanitários.

“O Psol defende sim que haja a possibilidade de criação de novos municípios
mas os critérios têm que ser rigorosos”, disse Chico. O líder do partido, Ivan Valente (SP), acrescentou que aproximadamente 2,5 mil cidades vivem exclusivamente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “O que vai ocorrer é a repartição da miséra, não há recursos novos”, afirmou.

Veja que municípios podem ser criados em Sergipe

Comente com sua conta no facebook

Se não tiver facebook comente aqui.

Para: Veja que municípios podem ser criados em Sergipe


 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.