Gilson Andrade clama por solução para lixeira no agreste sergipano

3 abr 2013 | 03:44 |
0 comentário

gilson andradeO deputado estadual Gilson Andrade (PTC) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na manhã de ontem (2), para fazer um apelo ao governo do Estado no sentido que se encontre uma alternativa para a lixeira que está fixada nas divisas entre os municípios de Itabaiana, Ribeirópolis e Frei Paulo. O parlamentar interagiu sobre o assunto com os deputados Antônio Passos (DEM) e Maria Mendonça (PSB), que atuam politicamente na região.

Gilson Andrade disse que esteve, no final de semana, na região agreste e ficou indignado com as condições subumanas das pessoas que residem próximo da lixeira e que tiram dela uma condição de subsistência. “Aquele lixo todo fica à margem da rodovia que liga as cidades. E o mais absurdo é que existem moradias bem perto das lixeiras, que ainda vem com duas placas enormes e bonitas colocadas por órgãos públicos dizendo que é proibido o acesso de crianças e adolescentes”.

Em seguida, o deputado falou da situação degradante que presenciou onde pais de família disputam na lixeira o alimento com os urubus. “Há anos aquela lixeira está ali instalada e nada é feito para impedir a presença dela, bem como a instalações de moradores por ali. São reuniões e mais reuniões, criam consórcios e fazem discussões, mas nada de concreto tem sido feito pelos órgãos competentes e ligados ao meio ambiente”.

Gilson Andrade completou pedindo uma ação forte do Governo do Estado para resolver o problema. “Temos que encontrar uma solução adequada para cuidar da destinação correta para o lixo. Os órgãos competentes precisam tomar uma atitude. É preciso tirar aquelas famílias daquela situação degradante também”.

Apartes – O deputado Antônio Passos disse que o problema na região é antigo. “Há anos que aquela lixeira está lá. São mais de 20 anos que a prefeitura de Itabaiana resolveu transformar o final dos povoados de Ribeirópolis, Itabaiana e Frei Paulo naquela lixeira. É um problema grave e há muito tempo nós cobramos uma solução. Já houve época, inclusive, que a prefeitura de Ribeirópolis acionou o Poder Judiciário. Desde 1989, para ser mais preciso, que a lixeira foi transferida para aquele local”, reclamou.

Antônio Passos ainda colocou que chegou a sugerir que o então governador João Alves Filho (DEM) não fizesse o consórcio entre os municípios da região. “Pedi que dessem condições às prefeituras para que cada uma cuidasse do seu lixo. Isso já acontece e muito bem no Mato Grosso do Sul. Apresentei a proposta ao Projeto Nordeste em busca de um financiamento. Era só criar uma cooperativa para administrar esse problema de custo para as prefeituras. São 13 ou 14 municípios compondo o consórcio e ainda tem outro problema: o transporte do lixo”.

O democrata explicou que sua preocupação é sobre o local para onde será destinado o lixo dessas cidades. “Se for em Ribeirópolis ou em Itabaiana, tudo bem. Mas e se for em Carira? É a mesma coisa que fosse em Aracaju! Isso representará um custo alto. Sou defensor que cada municípios cuide do seu lixo. O pessoal do Mato Grosso do Sul chegou a visitar Sergipe, mas entenderam que era preciso um projeto maior”.

 “Lá (MS) as pessoas são treinadas nas Cooperativas e empregadas. Sem ônus para os municípios. Se abrir um poço artesiano na lixeira da estrada de Ribeirópolis, com 25 metros de profundidade tem água. Estão correndo o risco de contaminar o lençol freático. Acho necessário que se encontre uma solução imediata”, finalizou Antônio Passos.

Também em aparte, a deputada Maria Mendonça disse este é um problema que atormenta os itabaianenses há anos. “Desde 1989 que a lixeira foi instalada naquele local e logo em uma rodovia estadual tão importante para o nosso turismo, porque dá acesso aos nossos turistas que vão conhecer Xingó. Estive prefeita de Itabaiana de 2005 a 2008 e busquei resolver esse impasse cadastrando os catadores de lixo, tirando as crianças da lixeira e colocando na escola, além de cadastrar as famílias em programas sociais como o Bolsa Família e o Bolsa Escola. Foi um trabalho articulado das secretarias de Meio Ambiente, Ação Social e Infraestrutura. Tem que acabar com isso porque afeta a Saúde do cidadão como um todo e o meio ambiente”.

Em seguida, Maria Mendonça disse ainda que quando assumiu já existia um consórcio entre 13 municípios para resolver o problema do lixo e que a secretaria de Estado do Combate à Pobreza, à época, havia repassado R$ 200 mil para ajudar o consórcio a buscar recursos para a construção de um aterro sanitário. “Esse dinheiro foi extraviado e o projeto sequer foi elaborado. Daí o Consórcio fez uma nova reunião e o ex-prefeito Maim (Campo do Brito) assumiu a presidência, mas logo renunciou e o consórcio findou desfeito”.

Por fim, Maria Mendonça explicou que procurou a UFS para formalizar uma parceria, mas a Universidade não tinha estrutura financeira para elaborar o projeto. “Buscamos o ITP da Unit, eles visitaram os espaços que o nosso município detinha para concluir o aterro, mas nos faltavam recursos para tocar as coisas. Ao governo do Estado nós entregamos um documento e o governador Marcelo Déda se sensibilizou com a nossa causa. Ele disse que o Estado assumiria a responsabilidade, mas eu findei deixando o comando do município. Agora, antes de sair, tirei o lixo da margem da pista e coloquei um trator semanalmente para remover tudo”.

Habacuque Villacorte, da Agência Alese

Gilson Andrade clama por solução para lixeira no agreste sergipano

Comente com sua conta no facebook

Se não tiver facebook comente aqui.

Para: Gilson Andrade clama por solução para lixeira no agreste sergipano


 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.